Água de coco – milagre ou mito?

Apelidada de “bebida esportiva natural” e “potencializador da vida”, uma caixinha de água de coco custa cerca de $2-3. Não é a toa que as celebridades americanas substituíram as suas bebidas de açaí e água de Kabbalah.

Sem gordura, sem colesterol, de baixa caloria, super-hidratante, naturalmente rica em eletrólitos – a água de coco é a mais nova  mania dos Estados Unidos nos quesitos  de saúde.

Sem gordura, sem colesterol, de baixa caloria, super-hidratante, naturalmente rica em eletrólitos – a água de coco é a mais nova mania dos Estados Unidos nos quesitos de saúde.

Nos Estados Unidos, a bebida chegou há sete anos através da  Vita Coco, um fabricante independente que vendeu 20 milhões de dólares do suco em 2009.

O Brasil produz, por ano, 500 milhões de litros de água de coco e cerca de 7% desse total são destinados à exportação. Outros países da América do Sul, como Argentina, Uruguai e Paraguai, são compradores da água de coco brasileira. Agora os Estados Unidos e alguns países da Europa também começam a investir neste produto.

Para o Brasil, o coco verde representa garantia de emprego e geração de renda para os produtores. É a segunda maior atividade produtiva do nordeste depois da cana de açúcar e emprega cerca de milhares de  pessoas entre plantio, colheita e distribuição do produto.

A água de coco é considerada um isotônico natural por ser rica em minerais. A presença de eletrólitos como sódio e potássio, possibilita uma absorção mais rápida, recuperando as perdas destes minerais através da urina e da pele.  Além disso, é a única bebida isotônica natural disponível comercialmente. Portanto, é ideal para repor o líquido perdido depois das atividades físicas e para a recuperação nos casos de desidratação, por ser um excelente soro vegetal.

Também usada como remédio para ressaca – a água de coco – pois  seus carboidratos repõem a energia perdida com o excesso de bebida alcoólica. É empregada como conservante para córneas humanas destinadas a transplantes. E durante a II Guerra Mundial foi usada como soro fisiológico, sendo injetada na veia de soldados feridos para equilibrar os líquidos do organismo nas cirurgias de emergência. A água de coco também  é conhecida por ter uma composição bastante próxima à do plasma humano.

Além de hidratar, a água de coco consegue enganar a fome típica que surge nos intervalos entre as refeições. E o potássio  auxilia no funcionamento do intestino, os alimentos são digeridos rapidamente e o paciente perde peso mais facilmente. A água de coco tem poucas calorias e ajuda a metabolizar a comida. Beber um copo equivale a comer uma laranja inteira ou meia maçã.

O ideal é tomar de um a três copos por dia, sem exageros. As pessoas que sofrem de diabetes, problemas renais e hipertensão não devem tomar muita água de coco por causa do sódio que pode acirrar estas doenças.

Não é mito não!

Podemos considerar a água de coco um verdadeiro milagre, uma bebida singular! Reconhecida internacionalmente como o melhor reidratante oral, promove o equilibrio da química do corpo, ativa o sistema imunológico, protege contra vários tipos de cancer e possui propriedades anti-envelhecimento.

A estrela- o coco

Nosso querido coquinho cresceu foi industrializado e ganhou o mundo. Hoje ele disputa espaço nos comerciais de Tv com celebridades como Zico. A Pepsi o colocou em caixinhas, outros o colocaram em latinhas e copinhos plásticos.

Mas o que é mesmo água de coco industrializada?

Maior durabilidade agregada a um sabor muito próximo ao natural é um fator muito requerido no mercado de produtos alimentícios.

Maior durabilidade agregada a um sabor muito próximo ao natural é um fator muito requerido no mercado de produtos alimentícios.

De acordo com artigo publicado no site da EMBRAPA,  água de coco envasada pode ser apresentada sob diversas formas, indo desde a caixinha tipo longa vida e latas de alumínio à temperatura ambiente, passando pela garrafa PET ou em polietileno na forma resfriada, ou ainda congelada.O mais sensato seria consumir a água de coco no próprio fruto, porém problemas de inconveniência de uso, ocupação de espaço em unidades de comercialização ou mesmo em geladeiras domésticas e ainda uma vida útil reduzida do fruto in natura, tem colaborado para que esta seja muito visada como um produto industrializado, de fácil utilização, estocagem e com uma vida útil de até seis meses. Os desafios deste mercado são ainda grandes e a tecnologia de métodos combinados minimiza as barreiras à expansão da venda desse fruto.

E agora?

O coco ficou famoso, foi explorado, industrializado, exportado e caiu na boca (literalmente) dos famosos de Hollywood. O que será que acontece com os residuos? Pra onde vai a casca?

segundo artigo postado no site Cocoverderj, para cada 250ml de agua de coco verde, 1KG de lixo é gerado.E para onde estaria indo esse lixo? Ainda de acordo com o site, que tem como objetivo a valorização do lixo gerado pelo consumo da agua de coco, uma tonelada dia de lixo de coco cria 6 empregos diretos.

segundo artigo postado no site Cocoverderj, para cada 250ml de agua de coco verde, 1KG de lixo é gerado.E para onde estaria indo esse lixo? Ainda de acordo com o site, que tem como objetivo a valorização do lixo gerado pelo consumo da agua de coco, uma tonelada dia de lixo de coco cria 6 empregos diretos.

Tem gente reciclando a casca do coco. Com ela pode se fazer coisas bem interessantes para decoração, construção, agricultura, jardinagem, artesanato.

Leia mais:  

http://cocobom.blogspot.com/2008/01/coco-fibra-aproveitamento-reciclagem.html

http://www.marcaambiental.com.br/novo/conteudo-verde/noticias/fabricas-de-gesso-apostam-na-reciclagem-da-casca-do-coco-verde.aspx

Fonte:

http//agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2004-03-17/agua-de-coco-do-brasil-comeca-ganhar-mundo

http://www.aguadecocoverde.blogspot.com/

http://www.cnpat.embrapa.br/home/portfolio/tecnologia.php?id=15

http://www.cocoverderj.com.br/imprensa/Setor%20Reciclagem%20-%20Projeto%20coco%20verde%20-%20RJ.htm

Anúncios

Médicos alertam para necessidade de hidratar o corpo no verão

Da Redação, com Agência Estado

O consumo de água aumenta no verão e não é à toa. A água é importante, segundo os médicos, para manter o corpo hidratado. “O suor é uma tentativa do corpo humano de manter a temperatura em condições ideais. Mas a pessoa elimina água em excesso. Caso não reponha, isso pode provocar desidratação”, afirma o clínico geral da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) Paulo Olzon. A pessoa desidratada, lembram os médicos, pode apresentar febre e, em casos graves, convulsões.

O presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, Antonio Carlos Lopes, acrescenta que quando sentimos sede é porque o sangue perdeu água na composição. “O sangue viscoso pode entupir uma artéria”, ressaltou. O sinal de que o corpo está hidratado é a cor da urina. Se estiver clara é sinal de que a hidratação está boa. Se estiver escura, a recomendação é beber mais água.

Os extremos das idades são os que mais sofrem com as altas temperaturas. Em dias de calor excessivo, os médicos afirmam que os idosos e as crianças, em especial recém-nascidos, são as principais vítimas e precisam de cuidados redobrados. No caso dos pequenos, os principais problemas são centrados nas vias respiratórias, pelo fato de o sistema ainda não estar totalmente formado. Por isso, deve-se oferecer água e suco várias vezes ao dia, não esquecer do protetor solar e também abusar das roupas leves (algodão) para evitar dermatites e alergias. É bom lembrar que a criança nem sempre sabe expressar a sede. A manifestação pode ser por choro ou pela irritabilidade.

Já os idosos, segundo o médico da Unifesp, Paulo Olzon, tem o corpo mais desidratado do que os mais novos – as rugas na pele são prova disso. “Eles perdem água sem poder perder. E também não costumam pedir água, porque não sentem necessidade, uma vez que não gastam tanto energia”. Outro problema é que os maiores de 60 anos sofrem mais do que os com menos idade de outras doenças agravadas pelo calor, como problemas cardíacos e de pressão.

Fonte: http://www.abril.com.br/noticias/ciencia-saude/medicos-alertam-necessidade-hidratar-corpo-verao-425507.shtml

O que comer no verão?

Verão é aquela época que todo mundo fica esperando e quando chega você fica trancado em casa com o ar condicionado e ventilador, afinal tá tão quente lá fora que se você sair pode acabar derretendo não é mesmo? Mas como não temos com fugir desse calor tropical que temos em nosso Brasilzão, vai aqui algumas dicas de alimentos que podem te ajudar a passar por essa época do ano.

1.Água – O calor pode causar desidratação, por isso a importância da água. E ela tem a grande vantagem de ser a única bebida que não engorda e não faz nenhum mal. No verão, 2.5 litros de água por dia, sem dó.

2.Limonada – O suor, além de fazer a gente perder água, também nos faz perder sais minerais, especialmente sódio. Um belo copo de limonada, com uma pitada de sal, alimenta e ajuda a repor o sódio perdido.

3.Alface – Comidas pesadas, como frituras, já costumam pesar no estômago. No verão então, nem se fala. Por isso, um bom prato de salada ajuda a deixar as refeições mais leves, além de ser fonte de fibras, ferro, fósforo, vitamina A, C e complexo de B e cálcio. Ah! E ainda sem esquecer a hidratação, saiba que a 100g de alface são compostas por 95% de água. Todas as outras verduras e legumes também são indicadas.

4.Melancia – Frutas, além do sabor doce e sempre refrescante, nos oferecem várias vitaminas e não engordam, desde que consumidas sem excesso. Em 100g de melancia existe 94% de água e só 31 calorias. Tem proteínas, vitaminas A, B e C, fósforo, cálcio e ferro.

5.Açaí – Típico da região amazônica, o açaí é o alimento mais calórico dessa lista, mas também um dos mais energéticos. As várias gorduras do açaí – que são as mesmas do abacate – ajudam na redução do colesterol e previne doenças do coração.

6.Água de coco – Poucas calorias, muitos nutrientes, nenhuma gordura e um poderoso hidratante. E ainda oferece 5% da dose diária recomendada de cálcio. 200ml de água de coco tem 40 calorias.

E já que o tema é saúde, lembre-se que o sol anda mesmo muito forte e, antes de ir para a rua, lembre-se do filtro solar.

Fonte:

Educarbrasil

http://receitasdeminuto.com/o-que-comer-no-verao/

http://www.nytimes.com/2009/07/22/dining/22mlist.html

Caminhada seca-barriga

foto: Lilian Alves

Andar – é uma forma eficaz, fácil e barata de emagrecer

Andar é a maneira mais rápida e eficiente de acabar com o pneuzinho

Por Christina Biltoveni

2 horas e meia de caminhada é o suficiente

Estudos realizados em centros de pesquisa do mundo todo comprovam que a mais simples de todas as atividades físicas – andar – é uma forma eficaz, fácil e barata de emagrecer, ganhar fôlego e proteger o coração. A novidade é que especialistas americanos descobriram que caminhar é tiro e queda para acabar com a gordura abdominal. Eles analisaram a relação entre esse tipo de exercício e os excessos que insistem em se alojar na barriga e provaram que uma média de duas horas e meia de caminhada por semana pode exterminar as sobras nessa região e diminuir até 2,5 centímetros em quatro semanas.

Mas por que caminhar funciona tão bem para declarar guerra aos pneuzinhos? Segundo Tim Church, da Louisiana State University, nos Estados Unidos, esse tipo de atividade ajuda a reduzir a gordura abdominal profunda, chamada gordura visceral. “Se você se exercitar o suficiente para perder 10% da sua gordura corporal, pode, na verdade, diminuir a gordura visceral em até 30%”, diz Church. Porém, é preciso deixar claro que a caminhada só traz esse tipo de resultado se aliada a uma dieta saudável.

Outro fator importante: quando a intensidade é variada durante o exercício, há uma maior metabolização da gordura como fonte de energia. “Desse modo, andar se torna uma atividade mais eficiente e é possível conseguir resultados em menor tempo”, defende Claudio Pavanelli, fisiologista da Sociedade Esportiva Palmeiras. Por isso, os professores Emerson Bisan, da assessoria esportiva Nova Equipe, e Mickey Ferrari, da academia Reebok, ambas em São Paulo, montaram um programa em que você vai caminhar menos de uma hora por dia, cinco vezes por semana, e intercalar a intensidade durante o treino. “Quando se faz o mesmo exercício todos os dias, não demora a atingir o que a gente chama de zona de conforto. O organismo acostuma, não é mais desafiado, e os benefícios ficam comprometidos”, explica Mickey.

A postura certa

Enquanto você caminha, preste atenção em alguns itens importantes

  • Cabeça: deve ficar alinhada com a coluna, mantendo o queixo paralelo ao chão, para evitar dores no pescoço.
  • Ombros: coloque-os para trás e não deixe com que tensionem a musculatura do pescoço.
  • Braços: eles acompanham o movimento, de preferência com os cotovelos flexionados a 90 graus, para evitar que as mãos inchem.
  • Barriga: contraia bem os músculos do abdômen enquanto caminha, como se levasse o umbigo em direção às costas. Além de trabalhar a região, você melhora a postura.
  • Pés: sempre que pisar, apóie primeiro o calcanhar no chão e então “desenrole” o pé. O tamanho da passada não deve ser nem muito curto nem muito longo. Dê passos macios, para não machucar os ossos da canela.

Plano para caminhar na praia

Quem vai passar as férias no litoral ou mora em uma cidade praiana pode apostar no treino à beira-mar. Intercalar areia dura com areia fofa e andar na água são as variáveis que deixam esse programa mais forte. Você se exercitará por menos tempo, mas os terrenos exigem mais esforço.

Não esqueça de realizar o aquecimento antes (ande 5 minutos em ritmo lento, como se estivesse passeando) e o alongamento depois, para prevenir lesões.

Semana 1

2ª feira Tempo: 30 min Ritmo: de 60 a 70% da FCM Superfície: areia dura

3ª feira Tempo: 30 min Ritmo: alternar 10 min de caminhada na areia dura entre 60 e 70% da FCM com 10 min de caminhada na areia fofa entre 60 e 70% da FCM Superfície: areia dura e fofa

4ª feira Tempo: 30 min Ritmo: alternar 15 min de caminhada na areia dura entre 60 e 70% da FCM com 15 min de caminhada na água a 80% da FCM Superfície: areia dura e água

6ª feira Tempo: 35 min Ritmo: de 60 a 70% da FCM Superfície: areia dura

Sábado Tempo: 30 min Ritmo: 5 min de caminhada entre 60 e 70% da FCM + 5 min de caminhada entre 75 e 80% da FCM + 5 min de caminhada entre 85 e 90% da FCM Superfície: areia dura

Semana 2

2ª feira Tempo: 35 min Ritmo: de 60 a 70% da FCM Superfície: areia dura

3ª feira Tempo: 35 min Ritmo: alternar 5 min de caminhada na areia dura entre 60 e 70% da FCM + 15 min de caminhada na areia fofa entre 60 e 70% da FCM + 15 min de caminhada na areia dura entre 60 e 70% da FCM Superfície: areia dura e fofa

4ª feira Tempo: 35 min Ritmo: alternar 15 min de caminhada na areia dura entre 60 e 70% da FCM com 20 min de caminhada na água a 80% da FCM Superfície: areia dura e água

6ª feira Tempo: 35 min Ritmo: de 60 a 70% da FCM Superfície: areia dura

Sábado Tempo: 35 min Ritmo: 5 min de caminhada entre 60 e 70% da FCM + 5 min de caminhada entre 75 e 80% da FCM + 5 min de caminhada entre 85 e 90% da FCM Superfície: areia dura

Semana 3

2ª feira Tempo: 40 min Ritmo: de 60 a 70% da FCM Superfície: areia dura

3ª feira Tempo: 40 min Ritmo: alternar 5 min de caminhada na areia dura entre 60 e 70% da FCM + 20 min de caminhada na areia fofa entre 60 e 70% da FCM + 15 min de caminhada na areia dura entre 60 e 70% da FCM Superfície: areia dura e fofa

4ª feira Tempo: 40 min Ritmo: alternar 15 min de caminhada na areia dura entre 60 e 70% da FCM com 25 min de caminhada na água a 80% da FCM Superfície: areia dura e água

6ª feira Tempo: 40 min Ritmo: de 60 a 70% da FCM Superfície: areia dura

Sábado Tempo: 40 min Ritmo: 5 min de caminhada entre 60 e 70% da FCM + 5 min de caminhada entre 75 e 80% da FCM + 5 min de caminhada entre 85 e 90% da FCM Superfície: areia dura

Semana 4

2ª feira Tempo: 45 min Ritmo: de 60 a 70% da FCM Superfície: areia dura

3ª feira Tempo: 45 min Ritmo: alternar 5 min de caminhada na areia dura entre 60 e 70% da FCM + 30 min de caminhada na areia fofa entre 60 e 70% da FCM + 10 min de caminhada na areia dura entre 60 e 70% da FCM Superfície: areia dura e fofa

4ª feira Tempo: 45 min Ritmo: alternar 15 min de caminhada na areia dura entre 60 e 70% da FCM com 30 min de caminhada na água a 80% da FCM Superfície: areia dura e água

6ª feira Tempo: 45 min Ritmo: de 60 a 70% da FCM Superfície: areia dura

Sábado Tempo: 45 min Ritmo: 5 min de caminhada entre 60 e 70% da FCM + 5 min de caminhada entre 75 e 80% da FCM + 5 min de caminhada entre 85 e 90% da FCM Superfície: areia dura.

Para o exercício render mais

Areia fofa = exercício turbinado

Nesse tipo de terreno, tudo bem caminhar descalça, porque o impacto é reduzido. De acordo com a fisiologista americana Therese Ikonian, na areia fofa você consume o dobro de calorias do que numa superfície dura. Além disso, como exige muito mais dos músculos, é um ótimo exercício para modelar as pernas.

Como calcular a frequência cardíaca máxima (FCM)

O que vai determinar a intensidade da caminhada é a sua frequência cardíaca. É importante monitorá-la e mantê-la dentro da faixa indicada no treino. Para isso, o primeiro passo é calcular a frequência cardíaca máxima (FCM), subtraindo a sua idade de 220. Se tem 20 anos, FCM: 220 – 20 = 200. Para andar entre 60% e 70% da FCM, faça o cálculo: se a sua FCM for 200, a conta é 200 x 0,6 (120) e 200 x 0,7 (140). Isso significa que terá que manter o batimento cardíaco entre 120 e 140 vezes por minuto. Se tiver frequencímetro, melhor (os modelos mais baratos custam, em média, 150 reais). Caso não tenha, pode utilizar também a tabela de percepção de esforço abaixo.

Entre no ritmo

Conseguir falar durante o exercício normalmente é um dos sinais que indica que você está mantendo a faixa ideal de batimentos cardíacos

• Moderado (de 60 a 70% da FCM) – dá para conversar, ainda que você fique um pouco ofegante.

• Forte (de 75 a 80% da FCM) – é mais difícil conversar, pois o esforço se torna maior

• Cansativo (de 85 a 90% da FCM) – não é possível conversar, porque a respiração fica extremamente ofegante.

Pequenos cuidados para uma caminhada mais eficiente

• Use roupas leves e escolha um tênis confortável, com sistema de amortecimento. Prefira modelos indicados para caminhada, cuja sola não é tão alta como nos de corrida.

• Evite caminhar sob sol forte. Use chapéu ou boné e passe filtro solar no corpo todo, mesmo em dias nublados.

• Nunca caminhe em jejum: se andar logo cedo, tome um suco, coma uma fruta ou uma barra de cereais e deixe o café completo para a volta.

Beba água antes, durante e depois da caminhada. É recomendável tomar um copo a cada 20 minutos.

• A respiração deve ser a mais natural possível, de preferência nasal. O nariz aquece, filtra e umedece o ar. Ao respirarmos pela boca, isso não acontece.

• Quando estiver adaptada à caminhada, não se acomode: você pode intensificar o trabalho apertando um pouquinho o passo, crescendo a inclinação da esteira, incluindo mais ladeiras no trajeto ou aumentando a duração do exercício.

Matéria publicada na Revista Boa Forma:  http://boaforma.abril.com.br/fitness/atividades-aerobicas/caminhada-seca-barriga-494813.shtml

Nestas férias, experimente remar, no rio ou no mar

Foto de Leiliana cabral

Uma excelente atividade para você manter a forma é sem dúvida, remar com um caiaque. Se ainda não experimentou, vale a pena tentar.

Além de divertido (pois você estará fazendo uma atividade esportiva diferente e prazerosa), você estará em contato com a natureza, apreciará uma bela paisagem, queimará muitas calorias (em média 500 calorias em 1 hora) e exercitará todo o seu corpo.

Nessa atividade, o tronco permanece em movimento o tempo todo, enquanto a parte inferior mantém o equilíbrio, se movimentando também. Desta forma você trabalha as costas, que são muito solicitadas; o abdome, que, juntamente com os joelhos, ajudam a elevar ou afundar a proa ou a popa do caiaque; os braços, que exercem uma força propulsora, auxiliados pelos ombros, as coxas e pernas, que realizam movimentos de flexão e extensão.

Como você vê, o trabalho muscular é intenso, eliminando todo o estresse. Você melhorará a sua flexibilidade, a coordenação motora e o equilíbrio. Para fazer todos estes movimentos, coloque a pá do remo na água em perpendicular.

Para que a remada tenha efeito, execute um movimento amplo, levando o braço bem para frente e, em seguida, bem para trás, quase encostando na traseira do caiaque.

Você deverá escolher um remo adequado à sua altura. Pegue o remo e coloque-o na vertical ao seu lado. Levante um dos braços e, se os seus dedos alcançarem o extremo, sem que você fique na ponta dos pés, este remo está adequado a você.

Dicas

•Faça alongamentos antes e depois de remar;

•Use colete salva-vidas;

•Use protetor solar;

•Reme em lugar seguro e sempre avise alguém que está remando;

•Evite lugares de correnteza e áreas próximas a pedras;

•Prefira os caiaques abertos, onde as suas pernas não fiquem presas.

Relaxe e divirta-se!

Por: Valéria Alvin Igayara de Souza CREF 7075/ GSP – Especialista em treinamento.

Texto extraido do site: http://cyberdiet.terra.com.br/nestas-ferias-experimente-remar-no-rio-ou-no-mar-3-1-2-88.html

Braçadas em alto mar

Que tal aproveitar as férias para aprender a nadar no mar? É relaxante e emagrece, mas só quem já sabe nadar na piscina − e muito bem − pode se arriscar. Se esse é o seu caso, umas braçadas no Atlântico só podem fazer bem.

“A diferença básica, naturalmente, é de paisagem”, ensina o professor de Educação Física Ítalo Saldanha. “Na piscina, o espaço é fechado, a água é branda e não há ondas. No mar, temos maré, correnteza e a densidade da água é menor, o que ajuda a boiar”.

A natação em águas abertas, ou “travessia, ficou tão popular que virou esporte pan-americano.

“Quem pratica a natação sabe o bem que faz. Iniciar ou terminar um dia com algumas braçadas. Em contato com a natureza, então, esses benefícios ficam ainda mais evidentes”, conta o triatleta Vinícius Santana.

A travessia é um esporte aeróbico, tão completo quanto a natação tradicional – porém, no oceano, há mais trabalho de resistência e consumo de gordura. A técnica também não é exatamente a mesma para as duas modalidades, embora haja mais semelhanças do que diferenças. Para nadar no estilo crawl, por exemplo, o atleta de piscina respira para o lado. “No mar, se você fizer respiração lateral, vai acabar engolindo água por causa das marolas”, avisa Ítalo. “O jeito é levantar a cabeça e olhar para a frente”.

O mar é traiçoeiro

O expediente também ajuda o nadador a se orientar. Como no mar não há raias e na maioria das vezes não dá para ver o chão, a solução é adotar um ponto de referência fora d’água para evitar o ziguezague. “É necessário algum tempo para aprender a nadar em linha reta. Uma dica é mirar uma pedra do outro lado da praia”, sugere Vinícius.

Outro detalhe: no mar não dá para pôr o pé no chão e nem para segurar na parede na hora do cansaço. Por isso, por mais expert que seja o nadador, ele jamais deve enfrentar uma travessia desacompanhado. Basta observar os atletas de alto rendimento: eles só nadam supervisionados por uma equipe, que inclui desde treinador até bote salva-vidas. “O mar é traiçoeiro”, alerta Ítalo Saldanha.

Confira abaixo dicas para praticar a travessia com segurança:

Procure uma praia tranqüila, com salva-vidas e nade apenas quando o mar estiver calmo.

Converse sobre as condições da praia e do mar para nadar.

Avise ao salva-vidas que você irá nadar.

Use uma touca de natação de cor forte, para que você seja visualizado facilmente.

Tenha cuidado com mau tempo.

Caminhe pela praia para visualizar bem marcos em terra (postos, por exemplo) e meça a distância que você irá percorrer.

Nadar sempre ao longo da praia e nunca em direção a alto mar.

Cuidado com cãibras e desidratação.

Evite horário de sol muito forte.

Use protetor solar. Faça um bom alongamento antes e depois de nadar e caminhe por uns 20 minutos para aquecer, antes de entrar no mar.

Entre devagar, molhando as partes do corpo lentamente.

Fonte: texto extraido do site: http://www.xenicare.com.br/pc/obesidade/xenicare/web/printMatch.asp?CAN=2&MAT=bracadas_maritimas

Algas marinhas aliadas ao combate a AIDS

 

As algas marinhas brasileiras podem ser um aliado ao tratamento e a prevenção da AIDS.

Compostos extraídos de algas podem gerar o primeiro medicamento brasileiro contra Aids

Por Felipe Maior

22 espécies de algas marinhas que nascem nos recifes do litoral brasileiro foram testadas recentemente, entre elas foram encontradas três substâncias que apontam uma próspera atividade que reduz o processo de replicação do vírus HIV. O que nenhum medicamento hoje existente no mercado faz.

Continuar lendo